Prefeituras de Imaruí, Jaguaruna e Grão-Pará fecham as portas para “arrumar a casa” no início das novas gestões

Arte: Portal Infosul

Por Joelson Cardoso

Três novos prefeitos da Amurel anunciaram o fechamento dos setores administrativos de suas prefeituras neste início de gestão. Os motivos são a reorganização da administração municipal e a avaliação da real situação financeira do município. Os serviços essenciais ao público, como a área da saúde, seguem seus atendimentos normalmente.

Em Imaruí, a medida começou a vigorar nesta segunda-feira, 11, e vai até o próximo dia 29. Segundo o decreto assinado pelo prefeito Patrick Corrêa (PSL), a prefeitura e as secretarias vão funcionar em expediente interno para fazer um levantamento financeiro e administrativo. O período também será utilizado pela nova gestão para realizar ajustes nas unidades administrativas.

De acordo com o decreto, os setores de tributos, protocolo e os serviços considerados essenciais, como serviços urbanos, obras, saúde, expedição de nota do produtor, carteira de identidade, carteira de trabalho e junta militar estarão prestando atendimento normal ao público das 8h às 13h.

Em Jaguaruna e em Grão-Pará o fechamento começou logo na primeira semana do ano. Na Cidade das Praias, o prefeito Laerte Silva (PSC) já havia reclamado no ano passado da falta de acesso às informações básicas no período de transição. Dados como saldo de contas, extratos, precatórios, notas empenhadas não foram repassados para a sua equipe na ocasião.

Para se inteirar da atual situação do município, Laerte decidiu começar o seu mandato de portas fechadas até o dia 17 deste mês, conforme o decreto publicado. Apenas o Paço Municipal, onde ficam os setores administrativos e financeiros, está fechado. As demais secretarias, Central do Cidadão e SAMAE funcionam normalmente.

Em Grão-Pará, o Centro Administrativo está trabalhando em expediente interno entre os dias 4 a 15 de janeiro. De acordo com o decreto assinado pelo prefeito do município Helio Alberton Junior, o Helinho (PP), a medida foi necessária para verificar a prestação de serviços das secretarias e departamentos da prefeitura, adequar as estruturas físicas e tecnológicas para início da gestão e adaptar o planejamento estratégico para a gestão que se inicia.