Marcele Bressane: como estão suas funções executivas?

Foto: reprodução

2020 está chegando no fim. Para muitos, alegria que este ano enfim está terminando. Para outros, tristeza, pois 2020 os tirou muitas coisas. Este ano foi sem dúvida uma loucura, um ano inimaginável. Cheio de desafio, independentemente de como você está terminando este ano.

Li um dia desses que se você não mudou em 2020, não mudarás nunca. Porque este ano tivemos que aprender a sermos resilientes. Ou seja, aprendermos a lidar com as mudanças. No nosso cérebro, temos as funções executivas. Que é um grupo de habilidade cognitivas que permite nós controlarmos e regularmos nossos comportamentos, sermos resilientes. Assim, tudo que você faz no seu dia-a-dia, como trabalhar, dar bom dia para seu namorado, é necessário que tenha uma função executiva atrás para dar suporte psíquico para conseguirmos. Assim, se você não mudou em 2020, não usasse bem suas funções executivas.

Dentro das funções executivas temos quatro e quero mostrar o quanto você utilizou ou deveria ter utilizado no seu 2020.

O primeiro componente da função executiva, é o controle inibitório, que é a nossa capacidade de controlar comportamento inapropriados. Como não brigar, xingar no trânsito ou bater em alguém. Ou algo mais simples, como não ser impulsivo com seu chefe e pedir demissão. O famoso, pensar antes de fazer. E neste ano tivemos que ter muuuuito controle inibitório para não pirarmos e nos arrependermos depois. Em tempos de lockdown, o mais importante era manter a calma. E você conseguiu ou se arrependeu de algo neste ano?

O segundo componente é a flexibilidade cognitiva, que é a tão sonhada resiliência e a capacidade de adaptação. O sonho de todos neste ano: quem melhor se adaptou, se deu melhor. Tanto em quesito emprego, quanto pessoal. Tivemos que reaprender a se comportar, mudar de funções. Teve pessoas que criaram novos empregos ou novos hábitos para conseguirem seguir bem este ano.

O terceiro é a memória de trabalho, que é a capacidade de armazenar informações curtas. Precisamos gravar o que é vacina, tipos de vacinas. Assuntos que nunca pensamos em estar discutindo. E para isto, tivemos que ter memória para conseguir armazenar tanta coisa nova.

E por último, o planejamento. Planejar novos sonhos, metas para este ano. Se organizar para ter um ano bom. Colocar em execução os novos planos que foram surgindo. Planejar o que faremos com tanto tempo em casa que tivemos.

Desta forma, se a sua função executiva não trabalhou neste ano, não sei como conseguiste chegar até o fim. Isso tudo é para te mostrar o quanto nosso cérebro é importantíssimo na nossa vida e que cuidar dele é primordial. Cuide de sua saúde mental e a coloque como prioridade: fazendo terapia, lendo, meditando, tendo conversas produtivas e relacionamentos saudáveis. Para que em 2021 possamos ter mais sinapses saudáveis, funções executivas perfeitamente realizadas e autoestima alta!

O meu desejo para 2021 é que você controle mais seus instintos, tenha mais flexibilidade nos problemas, crie mais espaço para memórias importantes e planeje melhor seu dia-a-dia. Desejos profundos da sua colunista semanal. Boas funções executivas!

*Texto de autoria independente